Logo Anatomia Patológica

Câncer de Pele

A pele é o maior órgão do corpo, sendo responsável por diversas funções. É formada por duas camadas: epiderme, que é a camada mais superior e a derme, que fica logo abaixo da epiderme. A pele possui vários tipos celulares, desde células produtoras de queratina, a qual exerce função protetora, até células sensitivas capazes de detectar tato, temperatura e pressão.

Desta forma, a pele possui funções variadas, como:

Proteção: funciona como uma barreira que separa o interior do nosso corpo do meio externo. Impede a penetração de microorganismo patológicos, gases e perda de fluidos, além de nos proteger das radiações ultravioletas.

Controle térmico: a pele, através de sua rede de circulação sanguínea e controle da transpiração, é capaz de manter a temperatura ideal do nosso corpo.

Sensibilidade: por possuir inúmeros receptores sensitivos, a pele é capaz nos fornecer a capacidade de percepção de frio, calor, temperatura e pressão.

Resposta imunológica: a pele possui células especializadas em apresentar substâncias nocivas ao organismo, além disso, possui células capazes de criar uma resposta imune imediata diante de um fator agressor.

Neoplasias de pele

Carcinoma basocelular (CBC)

O carcinoma basocelular é a neoplasia maligna mais comum em humanos e sua incidência vem aumentando nas últimas décadas. Representa 65% de todas as neoplasias cutâneas. Este tumor cresce de forma lenta e apesar de maligno, possui muitas vezes um comportamento benigno, já que quase não ocorre metastização.

Este tumor é mais comum a partir dos 40 anos, sendo que o ápice da frequência ocorre dos 50 aos 80 anos de idade. Nestes pacientes, o surgimento de CBC se associa a pessoas de pele clara, que sofrem grande exposição à radiação ultravioleta, arsenicais ou radiação radioterápica. Quando surge entre os 10 e 40 anos, pode ser indicativo de uma predisposição genética.

Cerca de 80% dos CBC surgem na face, mas podem surgir em quaisquer regiões do corpo, inclusive naquelas expostas à radiação solar. Inicialmente a lesão se apresenta como uma pequena elevação rósea-perolácea, que conforme cresce, torna-se um nódulo, com posterior ulceração central, recoberta de crosta e que pode sangrar facilmente após atrito. As bordas da lesão geralmente são cilíndricas, translúcidas, podendo haver teleangiectasias, que podm ser descritos de forma simples como pequenos vasos dilatados na superfície.

Carcinoma espinocelular (CEC)

É o segundo mais frequente tumor maligno de pele, consistindo em 15% neoplasias epiteliais. O CEC aparece tanto em pele normal quanto em pele fotolesada. É mais comum em homens a partir do 50 anos de idade. Associa-se com radiação ultravioleta, imunodeficiência, arsenical, xeroderma pigmentoso (doença genética em que há falha na reparação do DNA) e ao vírus HPV.

Os CEC se caracterizam por placas ou nódulos duros, persistentes, que podem ser da cor da pele ou avermelhados, com centro escamoso, coberto por crosta ou ulcerado. A localização mais comum é no lábio inferior, mas podem surgir nas bordas ou ponta da língua (principalmente nos pacientes fumantes), pênis, glande, prepúcio e vulva.

Melanoma

O melanoma cutâneo é o câncer de pele que tem origem nos melanócitos, ou seja, células da pele que produzem melanina. É uma neoplasia comum e mortal quando não é descoberta em seus estágios iniciais. O melanoma surge principalmente na pele, mas podem ter origem em outras regiões, como mucosa oral, mucosa anal e genital, esôfago, meninges e olho.

Os melanomas cutâneos podem evoluir de lesões localizadas para tumores agressivos que sofrem metástase e que são resistentes à terapia, por isso, detectar esse tipo de câncer em sua fase precoce é fundamental.

O melanoma pode surgir a partir da pele normal ou de uma lesão pigmentada. A manifestação da doença na pele normal se dá após o aparecimento de uma pinta escura de bordas irregulares acompanhada de coceira e descamação.

Em casos de uma lesão pigmentada pré-existente ocorre aumento no tamanho, alteração na coloração e na forma da lesão, que passa a apresentar bordas irregulares.

Desta forma, deve-se atentar para a regra do “ABCDE” para manchas suspeitas: assimetria, bordas irregulares, coloração irregular, diâmetro > 6 mm e expansão (tanto crescimento lateral quanto vertical).

Foto ilustrativa do artigo
Responsável Técnico:
Dr. Mario Rodrigues Montemor Netto
CRM 17340